conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: Pague para Entrar, Reze para Sair (1981)

Publicados

em

Pague para entrar
[Por Geraldo de Fraga]
Antes de se meter com Spielberg para dirigir Poltergeist – O Fenômeno, nosso querido Tobe Hooper nos presenteou com um clássico da tosquice slasher anos 80. Pague para Entrar, Reze para Sair (The Funhouse) passava direto nas madrugadas da Globo e é um dos poucos casos em que o título brasileiro é muito mais legal do que o original.

Na história, dois jovens casais decidem visitar um parque de diversões que chegou na cidade. O lugar é tão escabroso que lembra as atrações mambembes que rodavam os EUA nos anos 30 e eram conhecidas pelos freaks shows. Ao entrar em uma espécie de trem fantasma, o carrinho quebra e eles ficam presos no local. Para piorar, uma figura pra lá de estranha, que usa uma máscara de Frankenstein, começa a perseguir os quatro.

Na época, isso me passou batido, mas revendo hoje dá pra perceber um monte de referências ao universo do cinema de horror. Além da máscara usada pelo assassino, imagens do filme A Noiva de Frankenstein (1935) aparecem em uma TV. Também dá pra ver um poster de Dracula de Bela Lugosi e o longa tem claras referências a Psicose e Halloween.

No ano em que foi lançado, a bilheteria nos cinemas foi mixuruca, mas nada como o home vídeo e a programação televisiva para fazer com que a obra alcançasse um bom público. Pague para Entrar, Reze para Sair está hoje no catálogo da Darkflix para os saudosistas ou para os mais novos conhecerem. Vale o ticket.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Dicas

DICA DA SEMANA: Os Canibais (2018)

Publicados

em

Os Canibais

Estava caçando algo pra indicar aqui e vi um poster que me chamou a atenção! Confesso que eu já tinha visto material de divulgação desta produção há algum tempo atrás, mas havia esquecido completamente da existência. Desta vez acabei dando o play e fui surpreendido positivamente. O filme em questão é OS CANIBAIS (The Farm) e está no catálogo da Amazon Prime Video.

A premissa é bem simples: Um casal está viajando e resolve parar num lugar aconchegante pra dormir, só que quando acordam no dia seguinte, em vez de agarradinhos de conchinha na cama, estão separados, acorrentados e dentro de uma gaiola.

Percebem que estão numa espécie de fazenda na qual os humanos são tratados como gado e agora precisam fugir para não serem servidos. É interessante que as pessoas que alimentam, abatem e tratam da carne dos turistas estão sempre usando máscaras de animais que geralmente estão na posição de comida, numa clara inversão de papéis.

OS CANIBAIS é um filme cru, sem maneirismos de edição e de andamento lento que rende momentos de extrema tensão. A violência aqui não é tão gráfica como esperado, não apresentando assim o gore característico dessas produções sobre canibalismo, mas o tom realista e a condução segura do estreante Hans Stjernswärd, concebem situações extremas e que podem incomodar um bocado.

Cuidado pra não confundir com o bobo e caricato CANIBAIS (The Green Inferno, 2013) do Eli Roth que também está no catálogo da Prime Video.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Geração Proteus (1977)

Publicados

em

Geração Proteus

Nove anos depois de HAL 9000 apavorar uma tripulação inteira em um clássico de Stanley Kubrick, chegou a hora de outro computador pretensiosamente inteligente demais aparecer para aterrorizar uma casa, uma família e o mundo. E tal qual “2001“, o filme em questão também é baseado em uma obra de ficção científica.

Em “Geração Proteus” (Demon Seed) vemos um supercomputador daquele tipo de antigamente em que uma CPU ocupava o espaço de um apartamento. E tão grande quanto seus componentes e processadores, assim também era seu ego e sua sede de poder. O Proteus do título, neste caso, se refere a um projeto de inteligência artificial que o Dr Alex Harris (Fritz Weaver) criou.

Aos poucos após ganhar confiança do seu criador e de outros cientistas, Proteus se apodera de um sistema de automatização doméstica e começa a tocar o terror ligando e desligando aparelhos, dando choque nas pessoas, aumentando ou esfriando a temperatura ambiente e recorrendo até a lasers para disparar contra quem o tenta desconectar da tomada. Em contraponto a esta série de maldades, ouvimos a voz fria e insensível do ator Robert Vaughn extravazando os desejos e pensamentos da máquina, mesmo que sua performance não tenha sido devidamente creditada.

Entretanto, isso tudo é só uma prévia do seu grande plano macabro: gerar vida. Sim, o supercomputador teve o insight de querer se reproduzir e inseminar com um DNA digital a Dra Susan Harris (Julie Christie), a esposa de seu dono. Daí vem o título original e a sacadinha da tradução nacional.

Apesar do impacto de que isso pode causar a quem está lendo agora, este é um filme dos anos 70 sem aquele típico escracho que veríamos com este mesmo plot em produções posteriores. Mesmo assim, vemos em termos tecnológicos ideias só seriam concretizadas anos depois (alô Alexa!). É por isso que coloco “Geração Proteus” em uma espécie de lista distópica meio “Black Mirror” do passado com outros títulos da época como “Soylent Green“, “Westworld” e “Death Race 2000“.

É um filme bem ousado e polêmico se levarmos em consideração o momento em que foi lançado onde computadores caseiros estavam longe de serem uma realidade. Por isso mesmo sua repercussão não foi das melhores, mas o longa está atualmente nos catálogos do Tubi e do Plex pra quem quiser conferir o chocante final desta história.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Predador 2 – A Caçada Continua (1990)

Publicados

em

O Predador 2

Obra bem subestimada dos anos 1990, ouso dizer que O Predador 2 – A Caçada Continua é um daqueles exemplos em que a continuação supera o original. Não vou dizer que ele funcionaria sem o primeiro filme, pois esse aqui tem a vantagem de já ter toda mitologia pré-estabelecida. Mas, na minha opinião, a inclusão do monstrengo no cenário urbano e caótico casou perfeitamente.

No ano de 1997, futuro do ponto de vista do roteiro, Los Angeles é uma bagunça desgraçada, cheia de gangues que brigam pelo controle do crime organizado e, para piorar, uma onda de calor toma conta da cidade. Em meio a essa confusão, temos um rastro de corpos mutilados que não parece ser obra de um criminoso comum.

A investigação fica a cargo do tenente Mike Harrigan (Danny Glover), o típico policial linha dura, mas de bom coração, de filmes de ação da época. O roteiro tem todos os clichês: a rixa entre o protagonista e seus superiores, personagem para alívio cômico (com o saudoso Bill Paxton) e um órgão do governo que acoberta a atividade alienígena. Mike então precisa se adaptar para combater um inimigo muito mais perigoso do que os maloqueiros que enfrenta.

Mas o astro mesmo é o Predador (outra vez interpretado por Kevin Peter Hall, que viria a falecer um ano depois do lançamento do filme), mais sanguinolento do que nunca. Repito: colocar o monstrengo num ambiente urbano foi um acerto formidável, algo que viria a se repetir no longa de 2018, mas de forma desastrosa. O Predador 2 – A Caçada Continua está no catálogo do Star+. Vai na bola.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending