conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Pânico (2022)

Publicados

em

Pânico

A franquia Pânico tem um grande espaço no meu coração de cinéfilo. Lembro de ter convencido minha irmã a não lanchar na escola no dia seguinte para podermos alugar o VHS do primeiro filme no meio da semana. Reunimos os amigos da rua e juntos assistimos à primeira aparição do Ghostface, hoje icônico vilão(a).

Vi todas as sequências no cinema e mesmo preferindo o original, gosto delas. Quando veio a noticia de um reboot da franquia, fiquei receoso. Primeiro porque não seria mais Wes Craven quem dirigiria e depois pelos rumores de como utilizariam os personagens clássicos. Até que enfim pude ver o resultado deste novo filme da franquia.

A cidade de Woodsboro mais uma vez se vê palco de assassinatos misteriosos e brutais, deixando claro que um novo Ghostface surgiu, mas há algo diferente dessa vez. O foco está numa garota que volta à cidade para tentar desvendar o mistério e que recebe ajuda de outros velhos conhecidos da franquia enquanto uma pilha de corpos se acumula no caminho.

Todos sabem que Pânico sempre foi conhecido por brincar com a metalinguagem. E dessa vez não é diferente. Esta nova produção ainda provoca uma sátira da briga de fãs entre o estilo de terror elevado com filmes como A Bruxa em detrimento do slasher aqui utilizando a propria série representada pelos filmes da franquia Punhalada (STAB) – o filme dentro do filme. Isso além de brincar com o conceito de reboots que anda dominando os filmes daquele jeito que gostamos de ver.

A tecnologia sempre foi uma aliada do asasssino e mais uma vez ela evolui para que Ghostface se utilize disso para causar o terror. Isso também não deixa de ser um lembrete que esses aparelhos e aplicativos são usadas para causar o mal. Este longa de 2022 é bem sucedido em analisar e brincar com o que acontece no cenario do terror atual, além de cutucar a fanbase tóxica de uma forma geral.

Os novos personagens são carismáticos e logo criamos vínculos com eles. É divertido ver esses jovens cientes de onde estão se metendo, porém mais ligados nas regras estabelecidas pela franquia e dando mais trabalho a nosso vilão(a). O reencontro com Sidney, Gale e Dewey além de bem executado, não é feito de forma banal. Estes personagens “clássicos” tem importância para a história e toda cena em que aparecem, o coração do fã se aquece. A passada de tocha para o novo elenco é feita de modo natural e muito respeitoso. Wes estaria orgulhoso.

O que mais curti desse novo longa é que investiram mais no suspense e na antecipação do susto, coisa que senti falta em Halloween Kills (2021) onde Michael vai do ponto A a B matando figurantes irrelevantes e sem carisma, sem criar tensão e ainda cometendo a heresia máxima de descaracterizar a personagem central. Isso não ocorre aqui, felizmente.

Ah, e deixando claro, esse é o filme da franquia com um elevado grau de gore e sangue jorrando, com o Ghostface mais brutal. Esse é o reboot ideal que respeita o que veio antes, não ignora eventos e mesmo com foco maior no filme original, existe uma penca de easter eggs e diálogos que remete às demais continuações.

Pânico pode ser considerado o Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa(2021) do terror, com vários momentos onde o cinema interagia, gritava e se emocionava. Sinceramente nunca assisti a um filme de terror no cinema onde isso tivesse acontecido. Para quem é fã, Pânico é obrigatorio.

Escala de tocância de terror:

Título original: Scream
Direção: Matt Bertinelli-Olpin, Tyler Gillet
Roteiro: James Vanderbilt, Guy Busick
Elenco: Melissa Barrera, Neve Campbell, Courtney Cox, David Arquette e outros
Ano de lançamento: 2022

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

"Nós deixamos de procurar os monstros embaixo de nossas camas, quando percebemos que eles estão dentro de nós"

Continue lendo
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Resenhas

RESENHA: O Diabo Branco (2021)

Publicados

em

Diabo Branco

De uma novíssima safra do cinema argentino, chega às salas de cinema no circuito nacional o longa “O Diabo Branco” (El Diablo Blanco), obra de estreia do também ator Ignacio Rogers. A chancela de “filme argentino” e de gênero pode ter aberto algumas portas para esta co-produção latina que depois de dois anos de seu lançamento no país natal ganhou distribuição brasileira pela Pandora Filmes.

O diretor confessa que clássicos oitentistas como “Sexta-Feira 13” e obras mais recentes como “A Bruxa” ajudaram a influenciar esta história que tenta se equilibrar entre um folk-horror e um slasher. “De alguma forma (e exagerando), procurei ser uma espécie de conquistador do gênero, apropriando-me de um terreno já existente e moldando-o de acordo com minhas próprias regras pessoais, que também, de certa forma, são regras locais, latino-americanas.”, explica o diretor.

E o que dá início à trama é uma viagem de carro de quatro amigos pelo interior da Argentina indo passar férias em uma pousada. Ou seja, nada muito diferente a princípio de 90% de coisas como “Pânico na Floresta” ou “A Morte do Demônio“, por exemplo. Mas ao tirar o cenário americano e rostos conhecidos e colocar uma ambientação latinoamericana faz toda a diferença. Boa parte de “O Diabo Branco“, por sinal, foi rodada na província de Tucumán que é cercada de morros e matas fechadas.

O mistério em torno do que rola nos arredores da bucólica pousada vão sendo revelados pouco a pouco. Mas isso também não significa que o filme tenha um ritmo lento. O sumiço dos personagens e as mortes em parte off-screen e em parte mais gráfica rolam a seu tempo sem forçar muito a barra.

O fato de termos uma boa direção de elenco em que os atores realmente parecem pessoas em situações banais ajuda a nos sentirmos mais próximos dos personagens diante dos acontecimentos estranhos que virão na trama de “O Diabo Branco“. Trama que por sinal, se revela depois que existe uma maldição e uma seita secreta que se encarrega de sacrificar vítimas inocentes. Outro clichê, ok, mas funciona.

Escala de tocância de terror:

Direção: Ignacio Rogers
Roteiro: Ignacio Rogers, Paula Manzone e Santiago Fernandez
Elenco: Ezequiel Díaz, Violeta Urtizberea, Julián Tello, Nicola Siri
País de origem: Argentina
Ano de lançamento: 2019

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Aniquilação (2018)

Publicados

em

Aniquilacao

Eis que vemos a Netflix apostando mais uma vez em uma produção de ficção científica. Apesar de ter estreado em território nacional na polêmica plataforma de streaming, o destino de “Aniquilação” (Annihilation) era mesmo o cinema. Os cenários psicodélicos com plantas e criaturas estranhas com mutações lovecraftianas combinariam bem com as telas gigantes em que nos habituamos a ver tais produções. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Fresh (2022)

Publicados

em

Fresh

Todos nós pelo menos em algum momento da vida, sonhamos em encontrar alguém para ser nosso par e viver todas as questões melosas envolvendo o tema (Fábio Jr cantando “Alma Gêmea” na sua cabeça agora). Mas e se encontrássemos alguém que não fosse a pessoa dos sonhos e sim dos nossos pesadelos? Essa é a premissa de “Fresh”, nova produção de terror da plataforma Hulu que veio ao Brasil através da Star+.

Pronto, vamos à história? Noa, uma mulher na casa dos 30 anos divide seu tempo entre obrigações do cotidiano e a procura de pretendentes em aplicativos de namoro. O problema é que, assim como na realidade, a incidência de boys lixo e tóxicos é bastante alta. Mas depois de mais um encontro desastroso, ela já desiludida decide dar um tempo. A questão é que numa ida comum ao mercado, Noa conhece Steve, o tipico galã carinhoso. Logo engatam um romance bem açucarado, mas o que seria fofo se torna macabro quando o rapaz revela uma predileção alimentícia incomum e um prazer em consumir um um certo tipo de carne.

O maior acerto de “Fresh” a meu ver é rabiscar sobre o vício moderno das pessoas em apps de relacionamento e como cada um ali se coloca como carne exposta nas prateleiras à espera de serem selecionadas por alguém. A idealização e a busca de alguém perfeito também é abordada e mostra como essa busca acaba sendo 90% fracassada. No fim, nos resta o vazio e consequentemente a carência. Asim, o longa deixa claro os perigos em que estamos expostos ao encarar isso.

Mas calma, estamos falando de um filme de terror que vem sido alardeado por conter cenas repulsivas. O filme tem momentos gore, sim.. mas para um apreciador de obras como “Cannibal Holocaust” (1980) e até mesmo “Hannibal” (2001) esta nova produção aqui é quase um passeio no parque. Existem momentos chocantes e revoltantes, muito mais pelo contexto do que pelo gore em si.

Fresh” é bacana e mantém o público preso em suas quase duas horas de duração. Ainda assim não é esse gorefest que alguns sites estão alardeando. Seu ritmo mais lento inclusive, está bem mais preocupado em desenvolver seus protagonistas.

Os atores principais estão ótimos em seus papeis e passeiam entre o romance e horror de forma bem satisfatória. A direção e roteiro ficam por conta de mulheres que sabem muito bem pincelar e abordar certos temas de forma muito íntima sem cair muito em clichês. Vai na fé e confira uma história com direção interessante e momentos tensos e ainda instigantes.

Escala de tocância de terror:

Direção: Mimi Cave
Roteiro: Lauryn Kahn
Elenco: Daisy Edgar-Jones, Sebastian Stan, Jonica T. Gibbs e outros
Ano de lançamento: 2022
Plataforma: Star+

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending