conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: As Três Máscaras do Terror (1963)

Publicados

em

As Três Máscaras do Terror

Nem sei o motivo de nunca ter indicado nenhum filme de um dos meus diretores favoritos mas estamos aqui para consertar esse erro!

“As Três Máscaras do Terror” (I Tre Volti della Paura) é uma coprodução italo-americana no formato de antologia que segue os passos de Muralhas do Pavor (Tales of Horror) de Roger Corman. Mario Bava conseguiu junto à AIP a presença do conhecido ator Boris Karloff, que na época tinha recém apresentado um programa de TV chamado “Thriller” e o coloca tanto para abrir o filme (na versão americana do filme, ele apresentava cada um dos contos) como também para ser astro de um dos segmentos.

Na versão italiana, o primeiro conto é “Il Telefono.” Num roteiro que flerta com o giallo, a cortesã Rosy (Michele Mercier) começa a receber uma série de telefonemas de um antigo amante que achava estar morto. Em desespero resolve pedir ajuda à Mary (Lidia Alfonsi), que aparentemente também era uma de suas amantes, mas que conhecia o falecido. E é aí que a trama começa a complicar…

O segundo conto “I Wurdalak“, nos traz um assustador Boris karloff como Gorca, um velho caçador de vampiros (ou wurdalaks, como sugere o título) que aparentemente se tornou um deles. Apesar do esforço que seu personagem faz para esconder sua natureza hedionda, toda sua família estará condenada no momento em que ele pisar em sua morada.

La Goccia D’Acqua” é uma belíssima história de fantasmas. Uma enfermeira (Jacqueline Pierreux) é chamada para preparar o corpo de uma recém falecida medium e resolve roubar seu anel, o que desencadeia uma terrível maldição. Dois pontos marcantes nesse conto: primeiro, a máscara de cera criada pelo pai do diretor Eugenio Bava para o cadáver. Uma peça que apesar de sua aparência “fake” até hoje causa arrepios.

E é interessante notar como a estética desse conto, mesmo sendo uma história sobrenatural e nada “giallesca” viria a influenciar o próprio Bava em seu próximo filme “Blood and Black Lace“, obra que viria a ser um dos maiores referenciais da estética do subgênero. Impossível não reparar que diretores modernos como James Wan ou Edgar Wright, ao tentar homenagear o giallo, praticamente repetem a fórmula criada pelo mestre Bava ainda nos anos 60.

Vamos ao que interessa? Você pode assistir à versão italiana do filme (superior a meu ver) clicando AQUI.

Ah! A resposta é SIM! “As Três Máscaras do Terror” é o filme que inspirou Ozzy Osbourne a mudar o nome de sua nova banda de “Earth” para “Black Sabbath” (título da obra para o mercado internacional).

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Dicas

DICA DA SEMANA: Maratona “The Bat Pack”

Publicados

em

The Bat Pack

Mesmo não sendo as primeiras grandes estrelas do gênero, pois na era de ouro da Universal tivemos Lugosi, Karloff e Lon Chaney, esses três aqui marcaram forte presença nas décadas seguintes e moldaram o cinema de terror do Século XX. Aproveitando a semana de aniversário do “The Bat Pack”: Peter Cushing, nascido em 26 de maio de 1913; Vincent Price, nascido em 27 de maio de 1911; e Christopher Lee, nascido em 27 de maio de 1922, minha dica aproveita a quarentena e vira uma super-dica!

The Bat Pack – Conhecendo três lendas

Vincent Price era o mais velho deles e o primeiro a fazer um filme de gênero. Price tinha uma proveitosa carreira como coadjuvante em grandes produções até protagonizar “Museu de Cera” (1953) e depois, “A Mosca da Cabeça Branca” (1958). Fincou o pé no gênero ao trabalhar com o ícone William Castle em produções como “A Casa dos Maus Espíritos” e “Força Diabólica” (ambos, de 1959) e depois veio a parceria com Roger Corman em produções, digamos, mais modestas, que renderam dezenas de filme eternizados na memória dos fãs do gênero.

Peter Cushing já era bem conhecido na televisão britânica quando foi contratado para fazer “A Maldição de Frankenstein” (1957), de Terence Fisher, e o papel bateu o martelo em seu estrelato. Sua carreira subseqüente inclui interpretar Victor Frankenstein mais cinco vezes, Van Helsing cinco vezes e Sherlock Holmes uma vez no cinema e na TV, além de vários outros papéis, sem esquecer que também interpretou o célebre Doctor Who em dois filmes!

Christopher Lee foi contratado para interpretar o monstro de “A Maldição de Frankenstein” (1957) praticamente devido à sua altura. Em seguida foi recontratado para interpretar o Conde Drácula em O Vampiro da Noite” (1958), e o filme o lançou ao estrelato. Interpretou o temível vampiro por várias vezes e, mesmo querendo fazer papéis “mais sérios”, ficou enterrado (risos) no gênero.

The Bat Pack – O legado

A décadas de 70 e 80 “escantearam” os monstros fictícios, deram voz a monstros mais reais (e surreais) e as carreiras dos três atores foram perdendo a força que tinham nas décadas anteriores. Ainda assim, a figura deles marcou gerações de fãs, que depois vieram a ser grandes diretores, e que tiveram a chance de trabalhar com seus ídolos do passado. Gente como Tim Burton (Edward Mãos de Tesoura), Peter Jackson (O Senhor dos Anéis) e George Lucas (Star Wars) ajudou cada um deles ao seu modo, escalando-os para papeis em suas produções.

The Bat Pack – A maratona

Mas vamos ao que interessa? Aproveitando a ótima pesquisa feita por nosso amigo e constante colaborador Givaldo Oliveira (aqui, aqui e aqui, por exemplo), e o fato da necessidade do isolamento social devido à pandemia do COVID-19, que tal uma maratona com nada mais nada menos que TODOS os filmes que estão disponíveis a 1 clique de distância no Youtube (tem até filme com 2 deles contracenando juntos!). Corra antes que apaguem!

Horror Express

As Profecias do Dr. Terror

Horror Hotel (A Cidade dos Mortos)

O Cão dos Baskervilles

O Demônio de Fogo

Terror na Penumbra

O Soro Maldito

O Metrô da Morte

O Passado Tenebroso

O Castelo dos Mortos-Vivos

O Trem da Morte

Hércules no Centro da Terra

A Casa Que Pingava Sangue

Os Ritos Satânicos de Drácula

O Último Unicórnio

Hannie Caulder- Desejo de Vingança

Passageiros do Inferno

Máscaras da Morte

O Asilo do Terror

Trama Sinistra (A Maldição dos Gatos)

Carmilla – A Vampira de Karnstein

A Fera Deve Morrer

Contos do Além

O Ente Diabólico (O Carniçal)

O Caçador de Bruxas

A Mansão do Morcego

A Máscara da Morte Rubra (A Orgia da Morte)

O Túmulo Sinistro

A Casa das Sete Torres

As Sete Máscaras da Morte (Teatro da Morte)

A Casa dos Maus Espíritos

Farsa Trágica

Mortos Que Matam

Clube dos Monstros

O Uivo da Bruxa

Nefertiti: a Rainha do Nilo

O Abominável Dr. Phibes

A Câmara de Horrores do Abominável Dr Phibes

Os Chacais

Robur – O Conquistador do Mundo

Boa diversão!

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Os Canibais (2018)

Publicados

em

Os Canibais

Estava caçando algo pra indicar aqui e vi um poster que me chamou a atenção! Confesso que eu já tinha visto material de divulgação desta produção há algum tempo atrás, mas havia esquecido completamente da existência. Desta vez acabei dando o play e fui surpreendido positivamente. O filme em questão é OS CANIBAIS (The Farm) e está no catálogo da Amazon Prime Video.

A premissa é bem simples: Um casal está viajando e resolve parar num lugar aconchegante pra dormir, só que quando acordam no dia seguinte, em vez de agarradinhos de conchinha na cama, estão separados, acorrentados e dentro de uma gaiola.

Percebem que estão numa espécie de fazenda na qual os humanos são tratados como gado e agora precisam fugir para não serem servidos. É interessante que as pessoas que alimentam, abatem e tratam da carne dos turistas estão sempre usando máscaras de animais que geralmente estão na posição de comida, numa clara inversão de papéis.

OS CANIBAIS é um filme cru, sem maneirismos de edição e de andamento lento que rende momentos de extrema tensão. A violência aqui não é tão gráfica como esperado, não apresentando assim o gore característico dessas produções sobre canibalismo, mas o tom realista e a condução segura do estreante Hans Stjernswärd, concebem situações extremas e que podem incomodar um bocado.

Cuidado pra não confundir com o bobo e caricato CANIBAIS (The Green Inferno, 2013) do Eli Roth que também está no catálogo da Prime Video.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Geração Proteus (1977)

Publicados

em

Geração Proteus

Nove anos depois de HAL 9000 apavorar uma tripulação inteira em um clássico de Stanley Kubrick, chegou a hora de outro computador pretensiosamente inteligente demais aparecer para aterrorizar uma casa, uma família e o mundo. E tal qual “2001“, o filme em questão também é baseado em uma obra de ficção científica.

Em “Geração Proteus” (Demon Seed) vemos um supercomputador daquele tipo de antigamente em que uma CPU ocupava o espaço de um apartamento. E tão grande quanto seus componentes e processadores, assim também era seu ego e sua sede de poder. O Proteus do título, neste caso, se refere a um projeto de inteligência artificial que o Dr Alex Harris (Fritz Weaver) criou.

Aos poucos após ganhar confiança do seu criador e de outros cientistas, Proteus se apodera de um sistema de automatização doméstica e começa a tocar o terror ligando e desligando aparelhos, dando choque nas pessoas, aumentando ou esfriando a temperatura ambiente e recorrendo até a lasers para disparar contra quem o tenta desconectar da tomada. Em contraponto a esta série de maldades, ouvimos a voz fria e insensível do ator Robert Vaughn extravazando os desejos e pensamentos da máquina, mesmo que sua performance não tenha sido devidamente creditada.

Entretanto, isso tudo é só uma prévia do seu grande plano macabro: gerar vida. Sim, o supercomputador teve o insight de querer se reproduzir e inseminar com um DNA digital a Dra Susan Harris (Julie Christie), a esposa de seu dono. Daí vem o título original e a sacadinha da tradução nacional.

Apesar do impacto de que isso pode causar a quem está lendo agora, este é um filme dos anos 70 sem aquele típico escracho que veríamos com este mesmo plot em produções posteriores. Mesmo assim, vemos em termos tecnológicos ideias só seriam concretizadas anos depois (alô Alexa!). É por isso que coloco “Geração Proteus” em uma espécie de lista distópica meio “Black Mirror” do passado com outros títulos da época como “Soylent Green“, “Westworld” e “Death Race 2000“.

É um filme bem ousado e polêmico se levarmos em consideração o momento em que foi lançado onde computadores caseiros estavam longe de serem uma realidade. Por isso mesmo sua repercussão não foi das melhores, mas o longa está atualmente nos catálogos do Tubi e do Plex pra quem quiser conferir o chocante final desta história.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending