conecte-se conosco

Resenhas

RESENHA: Maggie – A Transformação (2015)

Publicados

em

maggie

Por Geraldo de Fraga

Há exatos 15 anos (desde o sci-fi O Sexto Dia), que Arnold Schwarzenegger não trabalhava como produtor de um filme. Sua volta à essa função deu-se com mais um exemplar daquele que é o sub-gênero do horror que parece não se esgotar nunca: zumbis. Mas Arnold não ficou apenas nos bastidores. Ele deixou a barba crescer e deu vida a um simples fazendeiro que tem a filha mordida por um zumbi e precisa lidar com o fim inevitável causado por esse acontecimento.

20a6bb744120No universo em que se passa Maggie – A Transformação (também conhecido por Contágio, Epidemia Mortal), a epidemia zumbi chegou, mas ao contrário da maioria das produções do tipo, não temos o clássico cenário pós-apocalíptico. A vida segue tranquila, na medida do possível, naquela pequena cidade da Região Centro-Oeste dos EUA. Outra modificação feita pelo roteirista John Scott é que a transformação após a mordida demora vários dias para que a vítima, enfim, perca sua humanidade.

Maggie (Abigail Breslin) foi abocanhada no braço e, após ser diagnosticada com o vírus Necroambulist, retorna para casa. Mas seu pai, Wade (Schwarzenegger) é avisado que sua fazenda será monitorada pelas autoridades locais e, assim que a garota estiver prestes a virar de fato um zumbi, ela terá que ser encaminhada para um local de quarentena onde passará seus últimos dias.

Captura de Tela 2015-06-01 às 11.30.36Apesar de a cara de Arnold Schwarzenegger tomar mais da metade do poster, Maggie não é um filme de zumbi arrasa quarteirão com cenas de ação, tiros e cabeças explodindo. Os outros infectados mal dão às caras. O longa é um drama minimalista com elementos de terror, que são usados como metáforas para vários problemas que as pessoas com doenças terminais enfrentam e também as consequências para suas famílias.

Belo discurso, mas isso não basta. O primeiro problema é que Maggie, como filme de zumbi que é, poderia se apropriar dos diversos elementos que permeiam esse universo para montar essas metáforas. E isso não acontece. Se tirarmos a infecção do roteiro e a substituirmos por uma condição real, com uma suposta gravidade equivalente (leucemia, por exemplo), teremos uma história sem muitas diferenças da que vimos aqui.

Captura de Tela 2015-06-01 às 10.58.54

A segunda falha é ainda pior: o longa não consegue emocionar o espectador. Nesse tipo de trama, pai e filha caminhando para um desfecho tão triste, não há tiro no pé maior. Há ainda uma tentativa de dar uma maior profundidade à protagonista, mostrando seus amigos e seu namoradinho (também infectado). Mas só piora. Seria muito mais interessante mostrar a reação de um jovem saudável naquele momento, por exemplo, do que colocá-los na mesma situação onde há compaixão dos dois lados.

E como Arnold Schwarzenegger se comporta no meio desse drama familiar todo? Inerte seria a melhor definição. Ele é o maior zumbi do longa. Mesmo quando toma a dianteira para defender sua cria, parece fazer como um robô (com o perdão do trocadilho). Não rolou química entre ele e Abigail Breslin ainda por cima. Não rolou química entre ninguém, aliás.

Escala de tocância de terror:

Título original: Maggie
Direção: Henry Hobson
Roteiro: John Scott
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Abigail Breslin e Joely Richardson
Origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Resenhas

RESENHA: O Telefone Preto (2022)

Publicados

em

Telefone Preto

O Telefone Preto (The Black Phone), novo horror da Universal Pictures, tem co-produção da ilustríssima Blumhouse, direção de Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose, A Entidade) e roteiro baseado em um conto de Joe Hill, escritor badalado, filho de ninguém menos que Stephen King. Como se não bastasse tudo isso, o vilão ainda é interpretado pelo duas vezes indicado ao Oscar, Ethan Hawke. Bom, o golpe tá aí… cai quem quer.

O filme se passa no subúrbio de North Denver, Colorado, em 1978. A vizinhança está assustada, pois crianças estão sendo raptadas na área. A polícia segue as pistas do serial killer, apelidado pela imprensa de The Grabber (Ethan Hawke), mas pouco se sabe sobre ele, apenas que dirige um furgão e usa balões pretos para encobrir seus ataques.

O tema central do O Telefone Preto é o bullying, problema enfrentado por Finney (Mason Thames), jovem de classe média baixa que é perseguido na escola, e que será a vítima do The Grabber que iremos acompanhar no decorrer do filme. A clássica história de superação dos próprios medos, materializados na figura bizarra do vilão.

Enquanto o garoto é mantido refém, sua irmã Gwen (Madeleine McGraw) corre por fora para convencer as autoridades que seus dons paranormais podem ajudar na busca. Mas o sobrenatural não está presente só nesse recorte da trama. O tal telefone do título é um aparelho quebrado, que fica no cativeiro de Finney, e pelo qual ele recebe ligações das vítimas anteriores. Nas interações, os meninos assassinados tentam ajudá-lo a derrotar o psicopata.

O problema é que O Telefone Preto, em nenhum momento, nos dá qualquer indício de que todo esse enredo vai terminar fora do lugar comum. Nada sai da fórmula hollywoodiana. E com crianças como protagonistas, todos os vícios de produções recentes, como IT – A Coisa e Stranger Things, são requentados, mesmo que a fotografia de Brett Jutkiewicz deixe a obra mais sombria que a tendência atual

Nem Ethan Hawke, que parecia ser o trunfo do filme, pela sua aparência bizarra, se mostra tão ameaçador. Não é preciso mostrar tudo da vida pregressa do antagonista. Muitas vezes, a falta de informação funciona melhor para endossar o mistério sobre seus atos. Só que o roteiro o relegou ao papel de um mascarado que entra e sai de um cômodo, dizendo frases soltas, como se só isso bastasse para externar sua loucura.

Talvez no conto, Joe Hill tenha conseguido lhe dar mais personalidade, mas a trama desenvolvida por Scott Derrickson e C. Robert Cargill pena para trazer qualquer aflição ao espectador. O Telefone Preto é só mais um exemplo de terror que tenta assustar com um personagem feio, um sustinho aqui, outro ali, e uma história universal sobre superação. Recuse a chamada.

Escala de tocância de terror:

Direção: Scott Derrickson
Roteiro: Scott Derrickson e C. Robert Cargill (baseado no conto de Joe Hill)
Elenco: Mason Thames, Madeleine McGraw e Ethan Hawke
Origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Fúria (2019)

Publicados

em

Rabid

Quando saiu a notícia que iria rolar um remake de RABID, clássico de ninguém menos que David Cronenberg – filme que aqui no Brasil saiu com o título infame de “ENRAIVECIDA NA FÚRIA DO SEXO” – eu fiquei num misto de curiosidade e medo do que viria. Mas aí vi que essa empreitada seria realizada pelas Irmãs Soska e fiquei bem animado, pois as gêmeas diretoras tem uns filmes cabulosos no currículo.

Nesta nova versão (chamada no Brasil de “Fúria“), dirigida por Jen e Sylvia Soska, a partir do roteiro de John Serge no qual elas também assinam, acompanhamos Rose, uma design de moda que se envolve em um acidente e fica com o rosto desfigurado. Sem esperanças de recuperar a aparência e voltar ao mundo da moda, resolve se inscrever numa clínica de estética adepta de um movimento chamado “TRANS-HU-MA-NI-SMO” que não é aceito pela comunidade médica. Como voluntária, acaba se submetendo ao procedimento milagroso que restaura toda estrutura do seu rosto. Não bastasse a aparência, a moça passa a se sentir melhor em todos os sentidos. Mas não demoram a surgir os efeitos colaterais… e eles são pra lá de sinistros.

Em nenhum momento as diretoras escondem sua admiração por Cronenberg. Há referências frequentes de sua obra durante o longa, sendo que uma em especial acaba se destacando de tão gritante que é. E é claro que o sadismo aqui impera, marca registrada das gêmeas cineastas em seus longas anteriores – vide “T IS FOR TORTURE PORN” e “AMERICAN MARY“. E assim como o diretor canadense, as irmãs também são chegadas a um body horror raiz. Aqui, usam e abusam de efeitos práticos pra nos conferir muita nojeira e bizarrice. Em uma cena temos uma “cobra” e uma axila… Bem, basta dizer que esta cena dificilmente será esquecida, por exemplo.

Apesar de seguir a mesma premissa do “RABID” original, este remake tem suas diferenças – o que já é esperado – e a mais importante é a forma com que Rose, vivida por Laura Vandervoort (Biten), é construída. Ao contrário do original, nossa protagonista não passa o filme todo assistindo impassiva às transformações que seu corpo e mente sofrem. Aqui, nossa heroína evolui dentro da trama, passando a ter domínio de suas ações, dando força e profundidade à personagem.

O ponto forte aqui tá no desenvolvimento da personagem principal, como já mencionado, e na violência extremamente gráfica toda artesanal, que garante uma seboseira danada com muito sangue em tela. Infelizmente, a maquiagem dá uns vacilos como na deformidade do rosto da protagonista, o que as vezes fica bem fake. Há também umas cenas toscas aqui e ali, mas os pontos fracos mesmos estão mais em alguns personagens que poderiam simplesmente nem existir, tipo o boyzinho que fica enchendo o saco da moça o filme todo.

Esta nova versão de “RABID” peca por tentar acrescentar mais elementos à trama do que ele precisaria de fato, mas nada que estrague a sua experiência. No fim das contas, o remake das Irmãs Soska agrada e acaba fazendo “bonito”. Pena que esta refilmagem passou meio batida pelo público do gênero e pouco se falou a respeito. Quem ainda tá torcendo o nariz e ainda não viu, tá vacilando.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jen e Sylvia Soska
Roteiro: John Serge e Irmãs Soska
Elenco: Laura Vandervoort, Benjamin Hollingsworth, Ted Atherton
Ano de lançamento: 2019

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Resenhas

RESENHA: Eles Existem (2014)

Publicados

em

EXISTS_poster[1]

Por Júlio César Carvalho

Em 1999, a dupla Daniel Myrick e Eduardo Sánchez concebeu ao mundo o icônico A Bruxa de Blair (The Witch Blair Project) que chamou a atenção por deixar muita gente com a pulga atrás da orelha se perguntando se as imagens exibidas das tais fitas VHS achadas eram reais, ressuscitando assim o estilo found-footage já existente, porém, até então não tão popularizado. 15 anos depois, Eduardo Sánchez revisita estilo que o lançou, mas seria melhor que não o tivesse feito. (mais…)

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending