conecte-se conosco

Críticas

CRÍTICA: My Amityville Horror (2012)

Publicados

em

MyAmytivilleHorror_poster
Por Geraldo de Fraga
Danny Lutz tinha apenas 10 anos quando, em 1976, mudou-se com a mãe, o padastro e os dois irmãos mais novos para o número 112 da Ocean Avenue em Amityville, Nova York. Nos 28 dias em que viveu nesse endereço, Danny vivenciou um dos casos de casas assombradas mais famosos da história, que deu origem a um livro, que posteriormente foi adaptado aos cinemas e virou uma franquia de filmes.
Mas ao contrário de sua mãe e padrasto, Kathy e George Lutz, Danny fez questão de fugir de tudo ligado ao caso. Hoje, aos 47 anos, o sobrevivente de Amityville fala sobre o que aconteceu naquela casa pela primeira vez na frente das câmeras. É nisso que o documentário My Amityville Horror (2012), dirigido por Eric Walter, tenta se manter para recontar mais uma vez essa história.
My_Amytivilleprofile-pic
Mas para fazer um documentário sobre algo tão grande, apenas sustentado pelo ponto de vista de um personagem é preciso que esse personagem seja alguém muito carismático, ou ao menos interessante, e que traga um novo viés para a história. Nesse segundo ponto, o filme até acerta. De acordo com Danny, George Lutz, que fez fama e dinheiro, divulgando excessivamente o caso de Amityville em programas de TV, era um grande de um safado. Danny ainda levanta a hipótese de o fenômeno paranormal em Amityville ter sido despertado pelo seu próprio padrasto que, segundo ele, era entusiasta do ocultismo e realizava sessões de magia negra com seus amigos naquela casa.
Porém, Danny não é um personagem interessante a ponto de segurar uma hora e meia de filme. Na maioria das vezes, só ouvimos ele se lamentar de como aquele incidente atrapalhou sua vida e de como foi difícil crescer sendo o “garoto de Amityville”. Se a idéia do diretor era fazer que que o espectador se compadecer com Danny, não funcionou. Em certas horas, você não aguenta mais suas lamentações.
MyAmityville99621_gal
O filme ainda conta com a participação de pessoas importantes no caso, como os jornalistas que cobriram o evento e a famosa investigadora paranormal Lorraine Warrem. Porém a abordagem fica muito centrada em Danny. Não que essa não fosse a idéia do filme, mas deixou tudo muito chato..
Quem quer ver um documentário sobre Amityville espera sempre por muitas imagens de arquivo, já que o caso foi coberto pela mídia na época. Esse foi outro detalhe que o filme ficou devendo. No mais, My Amityville Horror só deve agradar quem realmente tem bastante interesse na história e quer mais um DVD para ter na estante.
Nota: 5,0
Direção: Eric Walter
Roteiro: Neal Parks, Eric Walter
Elenco: Daniel Lutz, Susan Bartell, Laura DiDio
Origem: EUA

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
Clique para comentar

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Críticas

CRÍTICA: Baghead, A Bruxa dos Mortos (2024)

Publicados

em

Baghead, A Bruxa dos Mortos

Após a morte de seu pai, Iris (Freya Allan, a Ciri da série “The Witcher“) herda um velho “pub” em Berlin. Recém despejada de seu apartamento, o que poderia ser a solução para seus problemas acaba virando algo ainda pior pois o local abriga uma entidade capaz de incorporar os mortos, conhecida como “Baghead“.

A criatura que oferece a oportunidade de pessoas reencontrarem seus entes que partiram, agora se encontra sob a tutela de Iris. E é aí que a nova proprietária do bar enxerga a oportunidade de sanar seus problemas financeiros graças à proposta de Neil (Jeremy Irvine, o Harry Burnstow de “A Mulher de Preto 2“), que deseja reencontrar sua falecida esposa.

BAGHEAD, 2021

O encontro com Baghead, no entanto, deve seguir uma regra: a incorporação nunca deve ultrapassar 2 minutos (pelo visto os fantasmas alemães dão 30 segundos a mais de ‘meet and greet’ do que os australianos de “Fale Comigo“) e é claro que essa regra será quebrada levando Iris, sua melhor amiga Katie (Ruby Barker) e Neil por um caminho sombrio e misterioso, onde o sobrenatural se entrelaçará com o mundo dos vivos.

BAGHEAD, 2021

Baghead: A Bruxa dos Mortos“, é a adaptação para os cinemas do curta metragem homônimo também dirigido por Alberto Corredor. Só que essa “esticada” na história é justamente o ponto mais fraco do filme. A boa direção, cinematografia e atuações se perdem entre um roteiro que se arrasta entre decisões extremamente burras dos personagens para que o filme possa evoluir e uma sucessão de previsíveis jump scares.

É um filme ruim? Não, não é. Mas se eu dissesse que é bom, estaria mentindo…

Escala de tocância de terror:

Título original: Baghead
Direção: Alberto Corredor
Roteiro: Christina Pamies, Bryce McGuire, Lorcan Reilly
Elenco: Freya Allan, Jeremy Irvine e Ruby Barker
Ano de lançamento: 2024

* Filme visto graças à cortesia da Sinny Comunicação e Imagem Filmes

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Críticas

CRÍTICA: Pobres Criaturas (2024)

Publicados

em

Pobres Criaturas

Não espere nada de convencional do mesmo diretor que fez “O Lagosta” e “O Sacrifício do Cervo Sagrado“. Diferente do que acharam há um tempo antes da estreia, “Pobres Criaturas” (Poor Things) não é só uma releitura do mito de Frankenstein. Aliás, até pode ser, mas só que do jeitinho de Yorgos Lanthimos. Um jeitinho peculiar que lhe rendeu várias indicações ao Oscar.

Mas vamos aos fatos… “Pobres Criaturas” é adaptado do livro de mesmo nome lançado em 1992 pelo escritor britânico Alasdair Gray, falecido há cinco anos. Bem, a obra de Gray tem uma grande dose de esquisitice que cai como uma luva pro estilo de Yorgos. Detalhe: Tudo o que aparece de bizarro no filme vai sendo mostrado sem maiores explicações prévias, indo deste os gansochorros às parafernálias da mansão do cientista. Fica a cargo do espectador aceitar e ir se acostumando com o espetáculo de insanidades que vai do início ao fim da trama.

Somos apresentados ao nobre doutor GODwill Baxter (Willem Dafoe), cientista que na virada do século XIX vem brincando de deus experimentando coisas com seres vivos. E por ser professor de anatomia, mexer com cadáveres não é algo difícil pra ele. Sendo que até então não tinha conseguido encontrar um corpo natimorto para tentar reanimar.

E é aí que as “vidas” de Bella e de Godwill se cruzam e vivem como se fossem uma família. Sendo que Bella renasceu após o doutor transplantar o cérebro dela com o do bebê que ela carregava na barriga após uma tentativa de suicídio ao pular de uma ponte.

Tá esquisito o suficiente? Então se segura que isso é apenas o início do filme. E a partir daí a história vai piorando ou melhorando a partir daí a depender de sua interpretação. Vemos Bella (Emma Stone) aprender a se locomover sozinha num corpo de adulta e balbuciar palavras enquanto tenta encontrar sentido no seu dia a dia dentro de um casarão enquanto também vai (re)descobrindo sua própria sexualidade.

Depois desse primeiro momento, o filme engata uma marcha e começa a explorar outros cenários e situações assim como a personagem deseja. Pouco a pouco vemos a personagem Bella Baxter tomar consciência do que está acontecendo ao seu redor e passa de uma criatura de poucas palavras para uma mulher que lê Goethe e questiona a hipocrisia e suposta polidez da sociedade.

E de certa forma, isso sim, guarda semelhanças com a obra de Mary Shelley quando vemos a criatura adquirir maior racionalidade e questionar seu papel no mundo. Além disso, de maneira intencional, Yorgos ainda faz alusões ao filme “Frankenhooker” com enquadramentos, planos e poses de Emma Stone.

Como se não bastasse essa trama incomum, temos o visual do filme que é deslumbrante junto dos figurinos usados por Bella Baxter. A direção de arte sai de sequências em preto e branco em uma casa para externas em cenários de cidades como Lisboa e Paris em um colorido saturado para demonstrar junto à personagem de Bella o quão fantástico pode ser o mundo lá fora.

Espere até o final o inesperado porque nesta história as “Pobres Criaturas” não são só as que foram concebidas pela ciência. É um filme fantástico em todos os sentidos e para todos os sentidos.

Escala de tocância de terror:

Título original: Poor Things
Direção: Yorgos Lanthimos
Roteiro: Tony McNamara e Alasdair Gray (livro)
Elenco: Emma Stone, Willem Dafoe, Mark Ruffalo, Ramy Youssef e outros
Ano de lançamento: 2024

* Filme visto em Cabine de Imprensa realizada pela Espaço Z no Cinemark RioMar

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Críticas

CRÍTICA: Mergulho Noturno (2024)

Publicados

em

Bem, vou começar esse texto falando de um trauma infantil de quando tinha por volta dos três anos de idade. Foi quando quase me afoguei numa aula de natação por conta de um descuido do professor. E se não fosse por minha babá que se jogou na piscina, eu talvez não estivesse aqui. Me lembro bem de me debater em agonia de não conseguir respirar.

Então, por que estou falando disso? Justamente por conta da estreia de “Mergulho Noturno” nos cinemas. É um filme de terror que tem como vilã simplesmente uma PISCINA com poderes sobrenaturais! E agora estou aqui para dizer se vale uma nadadinha.

A trama acompanha uma família que procura a casa ideal para um recomeço e que atenda as necessidades do patriarca que está lutando contra uma doença degenerativa. Numa visita a um típico subúrbio americano, encontram esse novo lar com um preço bem abaixo de mercado e que tem como bônus uma piscina que tem segredos mortais.

Olha, já posso adiantar que o filme é uma imensa coleção de clichês de vários filmes famosos que são jogados sem propósito algum. Os exemplos vão desde It – A Coisa (2017), passando por O Chamado (2002) e até Tubarão (1975). Citei só esses, mas os exemplos são vários. É o tipo de filme em que devemos só torcer pelas possíveis vítimas. Mas como fazer isso se eles são apenas rascunhos ou as vezes nem chegam a isso?

As situações no geral são forçadas ao extremo, criando cenas absurdas que não fazem sentido. Isso tudo para tentar criar momentos genéricos de tensão e os famigerados jumpscares. Sendo que devo adiantar não cai em nenhum de tão telegrafados.

E para você que chegou até aqui… Segura um quase-spoiler da origem da nossa vilã! Adianto que é tão absurdo e mal explicado que o que restou para mim foi soltar uma gargalhada! Mas ainda falando da piscina, ela se mostra por muitas vezes burra e bem incompetente em seu ofício. Acho que a única coisa que faz bem são algumas tomadas subaquáticas que realmente são bonitas visualmente.

Mergulho Noturno inicia o terror no cinema em 2024 de modo vergonhoso, mostrando que é um filme de descarte que foi lançado de qualquer jeito só para gerar uma graninha.

Escala de tocância de terror:

P.S.: O filme é baseado em um curta do mesmo diretor

Título Original: Night Swim
Direção: Bryce McGuire
Roteiro: Bryce McGuire,Rod Blackhurst
Elenco: Kerry Condon, Wyatt Russel, Jodi long e outros
Ano de lançamento: 2024

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending