conecte-se conosco

Dicas

DICA DA SEMANA: 3 curtas de terror dirigidos por mulheres

Publicados

em

Curtas de mulheres

[Por Gabriela Alcântara]

Esses dias eu estava conversando com uma aluna que me pediu dicas de filmes de terror dirigidos por mulheres para assistir nas férias. Sabemos que o mercado ainda é dominado por homens, mas há alguns anos é possível ver cada vez mais diretoras trabalhando o gênero – e inclusive trazendo narrativas interessantes e fora da caixinha. Me empolguei na lista e acabei relembrando bons filmes feitos por realizadoras, incluindo alguns curtas. Vale lembrar que essas diretoras também tem longas de gênero (ou que flertam com o horror)!

O DUPLO – JULIANA ROJAS

O mito do Doppelgänger, aqui ganha ares claustrofóbicos muito semelhantes à estética de Polanski. Rojas nos traz a história de uma angelical professora de escola católica, que um dia vê seu “duplo” e a partir daí passa por uma série de transformações.

Vale ressaltar, além da magistral construção de ambiente (espacial, sonoro) tão característica do cinema de Rojas, a também excelente atuação de Sabrina Greve e Gilda Nomacce (na minha opinião uma das atrizes mais incríveis do cinema brasileiro atualmente). Para quem quiser engatar na cinematografia de Rojas, a diretora tem ainda os longas “Sinfonia da Necrópole”, “Trabalhar Cansa” e o recém-lançado “As Boas Maneiras”.


OS MORTOS VIVOS – ANITA ROCHA DA SILVEIRA

Em “Os Mortos Vivos”, estamos diante mais da tensão do que do horror. Tensão extremamente próxima do real, representada por um dos maiores medos da humanidade: a solidão. O filme tem um ar lento e denso de suspense, com alguns planos belíssimos, como a primeira cena, em que temos um plano sequência de Bia (Clarice Lissovsky).

Bia é a ficante de João (João Pedro Zappa), que vai ao banheiro em uma festa e desaparece sem dar explicações. Além de ser a primeira cena do curta, este é o único momento em que vemos Bia, em um take profundo e desconfortável, onde a personagem mira o vazio/nós. Se você curtir o filme e quiser ir em busca de mais trabalhos da Anita, ela tem ainda o longa “Mate-me Por Favor”, além de outros curtas que estão disponíveis no Vimeo.



MONSTER –
JENNIFER KENT

Uma mãe solo que mora com o filho pequeno em uma casa antiga. Filmado em preto e branco e com um clima de suspense crescente, “Monster” é o curta-metragem que deu origem ao celebrado “The Babadook”, da mesma diretora. Pessoalmente, inclusive, acredito que prefiro o curta. Nele percebemos mais claramente as mutações e a incerteza das fronteiras que separam mãe e a criatura que habita a casa – tal qual o Babadook.

Se há um mérito no longa, é que este sofistica a história, especialmente em termos de arte. Vale a pena fazer a dobradinha e emendar o curta – que está no Vimeo da diretora – com o longa, disponível na Netflix.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo
1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Dicas

DICA DA SEMANA: Mais Negro que a Noite (1975)

Publicados

em

Mais Negro que a Noite

O México é terreno prolífico para o cinema de horror. Desde “La Llorona” de 1933, dirigido pelo cubano Ramón Peón, passando pelos filmes de ‘luchadores‘ e de monstros clássicos, até chegar à obras mais recentes de diretores conceituados como Guillermo del Toro, o país nos presenteia com enorme filmografia. E falar de cinema mexicano e não citar a obra de Carlos Enrique Taboada, ‘El Duque‘, seria uma heresia. Portanto, aproveitando que já falamos de duas outras obras do mestre, “Veneno Para As Fadas” e “O Livro de Pedra“, trago mais uma de suas fitas como DICA DA SEMANA.

O de enredo de “Mais Negro que a Noite” é simples: a jovem Ofelia (Claudia Islas) herda a mansão de sua tia falecida com a condição de que ela cuide de seu gato preto, Becker. A jovem, que está passando por dificuldades financeiras e em busca de um lar, aceita prontamente e convida suas amigas para morar com ela.

Ao chegar na casa, a governanta faz uma tour pela morada da tia falecida e anuncia às jovens que Becker, o gato mais negro que a noite, é o verdadeiro dono da casa e que elas devem ter um cuidado especial com ele. No desenvolver da história vemos que elas além de ignorar o aviso, chegando até a removê-lo de seu quarto. O gato passa a irritá-las e as coisas começam a piorar quando elas decidem que o gato não deveria ter tantos benefícios.

Um dia, o gato é encontrado morto no porão. Após esse trágico evento, o inferno se espalha pela casa. Uma a uma, as garotas serão assassinadas por uma figura invisível enquanto a vibração negativa cresce fortemente na casa. Quem poderia estar por trás dos assassinatos? Será que a tia voltou do túmulo para vingar a morte de seu amado gato?

Você pode assistir “Mais Negro que a Noite” clicando AQUI. Se você ainda não é familiarizado com o cinema mexicano, acabou de achar um ótimo exemplar para ser o ‘pontapé inicial’. Aproveito também para recomendar essa maravilhosa pesquisa em 30 partes chamada “México Fantástico” feita por César ‘Coffin’ Souza para seu blog “Museu da Meia-Noite“.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: O Ataque dos Tomates Assassinos (1978)

Publicados

em

O Ataque dos Tomates Assassinos

O Ataque dos Tomates Assassinos” (Attack of the Killer Tomatoes) é um daqueles filmes que provavelmente foi mais comentado do que realmente visto. Se fosse assistido na mesma proporção dos memes e piadas a seu respeito ninguém mais iria relegar esta obra a uma terceira divisão do cinema mundial. Podemos seguramente dizer que ele foi o precursor ou o culpado de haver obras como “Rubber“, “Evil Bong” e “Camisinha Assassina“.

Afinal de contas, qual outro filme se atreve a começar junto com um texto se comparando a Os Pássaros? No caso, o longa de John de Bello alerta que se no filme de Hitchcock as pessoas riram do absurdo que era um ataque de pássaros a humanos naquela época, ninguém mais riu depois que houve um ataque similar de verdade em 1975…

Usando muita criatividade e cara de pau, o filme não quer inventar moda e nem explicar demais. Apenas mostra que está havendo um ataque de tomates em todo canto, pela água, por terra e pelo ar e que as pessoas precisam se precaver. Nem é preciso dizer que as mortes e as cenas de perseguição são risíveis.

Os tomates em tamanho “normal” atacam pessoas de qualquer jeito, seja na cozinha, na praia ou na rua. Ninguém está a salvo deles. E o exército e o governo, logicamente, não estão preparados para esta ameaça apesar de que todo mundo já considera os ataques como algo corriqueiro. E a situação ainda piora quando encontram estes espécimes com um tamanho fora do comum.

Bem, não dá pra levar a sério o filme e nem se assustar com o que acontece, mas esta é a graça da parada. O fato é que este primeiro “O Ataque dos Tomates Assassinos” é realmente feito pra rir. Uma daquelas combinações propositais de paródia, roteiro trash e atuações incrivelmente fora do padrão com gente que nunca tinha estado em set de filmagem antes.

E atenção… este ainda não é o filme que deu fama à George Clooney. Ele pode ser visto no segundo filme da franquia, lançado dez anos depois com mais orçamento, mais recursos e mais piadas, além de apresentar um cientista louco, um roteiro mais “coeso” e tomates-humanos que ajudaram a consolidar a franquia no universo pop do horror.

Outro destaque nesta produção (além das demais já citadas) é sua trilha sonora marcante e uma música ridiculamente mal cantada em um dos momentos-chave da trama. Preparado ou não, “O Ataque dos Tomates Assassinos” é um desses clássicos que precisam ser vistos e que está disponível no catálogo do Plex com legendas em inglês. Aproveitem a versão restaurada e limpinha apesar de toda a tosqueira filmada.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Dicas

DICA DA SEMANA: Força Sinistra (1985)

Publicados

em

Força Sinistra

Nas últimas três décadas, os efeitos especiais chegaram num nível tão absurdo que não deixam mais ninguém espantado com monstros e cenários criados no computador. Mas se você fosse criança nos anos 80, não deixava nenhum filme de terror ou ficção científica passar batido, pois eram neles que os pequenos nerds saciavam sua sede por seres de outros mundos.

E Força Sinistra (Lifeforce), um dos clássicos da madrugada da TV aberta, entregava tudo isso numa época em que os efeitos práticos eram muito bacanas. Dirigido por Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica, Poltergeist), essa adaptação do livro The Space Vampires, de Colin Wilson, marcou época.

Vamos à sinopse. A tripulação de uma nave, que está no espaço estudando o cometa Halley (mais anos 80 impossível), dá de cara com um um veículo alienígena. Dentro dele, há vários morcegos gigantes mortos e três corpos humanóides (dois homens e uma mulher), que são levados pelos astronautas.

Chegando na terra, esses estranhos visitantes se mostram ETs perigosíssimos, que se alimentam da energia vital dos humanos. Como se não bastasse o rastro de corpos que deixam para trás, suas vítimas retornam da morte para se alimentar de outros humanos, como… vampiros.

Assistindo depois de tanto tempo, dá pra pegar uns detalhes que passaram despercebidos na minha adolescência, quando eu só ficava babando por Mathilda May, a extraterrestre que passa o filme todo pelada. Primeiro, a referência ao navio de Drácula: quando toda a tripulação é assassinada e a espaçonave chega à terra cheia de cadáveres.

Força Sinistra tem também uma carga sexual muito forte – ok, tem mulher nua o tempo todo – mas me refiro ao lance da sedução que os vampiros impõem aos humanos. A própria personagem de May revela que sua aparência terráquea foi retirada da mente do protagonista Tom Carlsen (Steve Railsback). Dá pra ver ainda algumas ‘chupadas’ de Alien e A Volta dos Mortos Vivos, já que o roteiro também é de Dan O’Bannon.

Vamos combinar que Força Sinistra tem um roteiro de filme B danado. Tem horas que parece um longa da Hammer com um pouco mais de dinheiro. Ainda temos a sequência extremamente desnecessária do manicômio, com Patrick Stewart pagando mico e se tremendo em cima de uma mesa. Mas dá para perdoar tudo isso, principalmente pela maluquice que vira no ato final. A obra não deve conseguir novos fãs, mas vale pela nostalgia, tão em moda, pelos anos 80. Tem no Amazon Prime, em VOD para alugar.

Gosta de nosso trabalho? Então nos dê aquela forcinha contribuindo através do PicPay!

Continue lendo

Trending